LEIA aqui a SEGUNDA nova história de JK Rowling - A autora de Harry Potter

J.K. Rowling lançou uma nova história sobre o universo de Harry Potter. Este é o segundo conto divulgado e o primeiro foi mostrando um "Reencontro da Armada de Dumbledore" (leia aqui na íntegra) e agora a nova história contará mais sobre a vida de um dos personagens mais odiados da série: Dolores Umbridge.  
O conto foi divulgado no site Pottermore e traduzido pelo site brasileiro Potterish
Você poderá ler a segunda história completa aqui a seguir...


“DE J.K. ROWLING - A vida de Dolores Umbridge.  
Aniversário: 26 de agosto
Varinha: Bétula e fibra de coração de dragão, vinte centímetros
Casa de Hogwarts: Sonserina

Habilidades especiais: Sua pena para castigos é sua invenção
Parentesco: Mãe trouxa e pai bruxo
Família: Solteira, sem filhos
Hobbies: Colecionar todos os pratos ornamentais ‘’Felino Feliz’’, colocar babados em tecidos e em objetos inanimados, inventar instrumentos de tortura.
Dolores Joana Umbridge era a mais velha e a única filha de Orford Umbridge, um bruxo, e Ellen Cracknell, uma trouxa, que também tinha um filho aborto. Os pais de Dolores não eram felizes em seu casamento, e ela secretamente desprezava ambos: seu pai por sua falta de ambição (ele nunca foi promovido, e trabalhava no Departamento de Manutenção Mágica no Ministério da Magia), e sua mãe, Ellen, por sua tolice, sujeira e linhagem trouxa. Orford e sua filha culpavam Ellen pela falta de habilidade mágica do irmão de Dolores, sendo que, quando Dolores tinha quinze anos, a família se separou ao meio, com Orford e Dolores ficando juntos, enquanto Ellen voltou ao mundo trouxa com seu filho. Dolores nunca viu seu irmão nem sua mãe novamente, nem nunca os mencionou, e, portanto, fingia para todos que conhecia que era uma puro-sangue.
Como bruxa formada, Dolores se juntou ao Ministério da Magia assim que saiu de Hogwarts, conseguindo um emprego como estagiária, um cargo muito baixo na Seção de Controle do Uso Indevido da Magia. Mesmo aos dezessete anos, Dolores era crítica, preconceituosa e sádica, porém, sua atitude cuidadosa, seu jeito meloso com seus superiores, e a crueldade e furtividade com os quais ela recebia crédito pelo trabalho alheio logo fez com que fosse promovida. Antes dos trinta anos, Dolores havia sido promovida para Chefe de Seção, e foi apenas um pequeno passo dali para posições ainda mais altas na gerência do Departamento da Execução das Leis da Magia. Nessa época, havia persuadido seu pai a se aposentar cedo, e ao deixá-lo com uma pequena mesada, assegurou-se de que ele saísse de cena. Quando lhe perguntavam (geralmente colegas de trabalho que não gostavam dela) ‘você é parente daquele Umbridge que costumava esfregar o chão aqui?’ ela punha o sorriso mais doce em seu rosto, ria e negava qualquer relação, dizendo que seu falecido pai havia sido um membro importante da Suprema Corte dos Bruxos. Coisas ruins aconteciam com quem perguntava sobre Orford, ou sobre qualquer coisa que Dolores não gostava de falar, e aqueles que não queriam contrariá-la fingiam acreditar em sua versão de sua ancestralidade.
Apesar de seus melhores esforços para conquistar um de seus superiores (ela nunca se importou com qual deles fosse, mas sabia que seu próprio status e segurança seriam melhorados com um marido poderoso), Dolores nunca conseguiu se casar. Apesar de valorizarem seu trabalho duro e ambição, aqueles que a conheciam melhor achavam difícil gostar dela. Depois de um copo de xerez doce, Dolores era propensa a mostrar visões bem pouco ortodoxas, e até aqueles que eram anti-trouxas ficavam chocados com algumas das sugestões de Dolores, atrás de portas fechadas, do tratamento que a comunidade não-mágica merecia.
Conforme ficou mais velha e rígida, e subiu mais dentro do Ministério, o gosto de Dolores por objetos femininos e infantis ficou cada vez mais pronunciado; seu escritório virou um lugar de babados e enfeites berrantes, e ela gostava de qualquer coisa decorada com gatinhos (apesar de achar os reais inconvenientemente bagunceiros). Quando o Ministro da Magia Cornélio Fudge ficou cada vez mais ansioso e paranóico sobre as intenções de Alvo Dumbledore de subjugá-lo, Dolores conseguiu chegar ao próprio coração do poder, ao atingir tanto a vaidade como os medos de Fudge, se apresentando como uma das poucas pessoas em quem ele podia confiar.
O trabalho de Dolores como Inquisidora em Hogwarts deu total liberdade, pela primeira vez em sua vida, para seus preconceitos e crueldade. Ela não havia gostado da época de escola, pois havia sido esquecida em todas as posições de responsabilidade, e adorou a chance de voltar e exercer seu poder sobre aqueles que não tinham (em sua visão) lhe dado o que ela merecia.
Dolores tem fobia de seres que não são parcialmente, ou totalmente, humanos. Seu desgosto pelo meio-gigante Hagrid, e seu terror de centauros, revelam um horror do desconhecido e do selvagem. Ela é uma pessoa extremamente controladora, e todos que questionam sua autoridade e visão de mundo devem, em sua opinião, ser punidos. Ela adora subjugar e humilhar os outros, e, exceto em suas alianças, não há muita diferença entre ela e Belatriz Lestrange.
O período de Dolores em Hogwarts acabou desastrosamente, pois ela passou por cima das permissões que Fudge havia lhe concedido, saindo dos limites de sua própria autoridade, levada por um senso fanático de auto-realização. Abalada, porém nada arrependida após o fim catastrófico de sua carreira em Hogwarts, ela retornou para um Ministério que estava em meio ao conflito devido à volta de Lord Voldemort.
Na mudança de regimes que se seguiu à aposentadoria forçada de Fudge, Dolores pôde voltar à sua posição antiga no Ministério. O novo Ministro, Rufo Scrimgeour, tinha problemas mais preocupantes do que Dolores Umbridge. Scrimgeour depois foi punido por esse desvio, porque o fato de o Ministério nunca ter punido Umbridge por seus abusos de poder soou a Harry Potter como a comprovação de sua complacência e descaso. Harry considerou a permanência de Umbridge em seu emprego um sinal da corrupção essencial do Ministério, e se recusou a cooperar com o novo Ministro por causa disso (Dolores é a única pessoa, além de Voldemort, a deixar uma cicatriz física permanente em Harry, havendo forçado o garoto a cortar as palavras ‘Eu não devo contar mentiras’ nas costas de sua própria mão durante as detenções).
Logo Dolores estava adorando sua vida no Ministério mais do que nunca. Quando o Ministério foi tomado pelo Ministro fantoche Pio Thicknesse, e infiltrado pelos seguidores de Lord Voldemort, Dolores finalmente mostrou quem era. Julgada corretamente, por Comensais da Morte experientes, que ela tinha muito mais em comum com eles do que já teve com Alvo Dumbledore, ela não só continuou em seu posto como recebeu mais autoridade, tendo se tornado Chefe da Comissão de Registros de Nascidos Trouxas, que efetivamente foi uma corte que prendeu todos os nascidos trouxas sob a acusação de que tinham ‘roubado’ suas varinhas e sua magia.
Foi enquanto estava no julgamento de outra mulher inocente que Harry Potter finalmente atacou Dolores no coração do Ministério, e lhe roubou a horcrux que estivera usando.
Com a queda de Lord Voldemort, Dolores Umbridge foi levada a julgamento por sua cooperação entusiasmada com o regime dele, e considerada culpada pela tortura, aprisionamento e morte de várias pessoas (alguns dos nascidos trouxas inocentes que ela sentenciou a Azkaban não sobreviveram à sua provação).
PENSAMENTOS DE J.K. ROWLING
Uma vez, há muito tempo, eu estudei uma certa matéria ou habilidade (estou sendo o mais vaga possível, por razões que irão se tornar óbvias), e ao fazer isso, tive contato com uma professora ou instrutora que não gostei logo de cara.
A mulher em questão retornou minha antipatia com interesse. Por que nos atingimos tão instantânea, apaixonada e (pelo menos no meu lado) irracionalmente, eu honestamente não sei dizer. O que fica na minha mente é o gosto pronunciado dela por acessórios melosos. Eu me lembro com detalhes de uma tiara de lacinho de plástico cor de limão pálido que ela usava em seu cabelo curto encaracolado. Eu costumava ficar olhando esse lacinho, que seria apropriado para uma menina de três anos, como se fosse uma espécie de tumor repulsivo. Ela era uma mulher um pouco grande, e não exatamente jovem, e a tendência dela de usar babados onde (eu acho) não deveriam estar, e de carregar bolsas de mão muito pequenas, de novo como se tivessem sido tiradas de um guarda-roupa infantil, batia, acredito, com uma personalidade que para mim era o oposto de doce, inocente e ingênuo.
Eu sempre tendo a ser um pouco cuidadosa quando falo desses tipos de fontes de inspiração, porque é enfurecedor ser mal compreendida de modos que podem causar muita dor a outras pessoas. Essa mulher NÃO ERA ‘a Dolores Umbridge real’. Ela não parecia um sapo, nunca foi sádica nem má comigo nem com mais ninguém, e eu nunca a ouvi expressar uma única opinião como a de Dolores Umbridge (de fato, eu nunca a conheci o suficiente para saber muito de suas visões ou preferências, o que torna o fato de eu não gostar dela ainda menos justificável). Porém, é verdade que emprestei dela, de um modo muito exagerado, o gosto pelo meloso e infantil nas roupas, e era daquele lacinho cor de limão de plástico que eu estava me lembrando quando imaginei o ornamento parecido com uma mosca na cabeça de Umbridge.
Percebi mais de uma vez na vida que o gosto pelo meloso pode andar de mãos dadas com uma visão de mundo distintamente radical. Uma vez dividi uma sala com uma mulher que tinha coberto a parede atrás de sua mesa de fotos de gatinhos fofinhos; ela era a mais intolerante e maliciosa defensora da pena de morte com quem eu já tive o azar de dividir uma chaleira. A paixão por tudo que é meloso parece presente onde há falta de conforto real ou caridade.
Então Dolores, que é um dos personagens que eu mais desprezo, se tornou uma amálgama das características tiradas dessas, e de uma variedade de fontes. Seu desejo de controlar, de punir e de infringir dor, tudo no nome da lei e da ordem, são, eu acho, tão repreensíveis quanto o princípio franco de adoração do mal de Lord Voldemort.
Os nomes de Umbridge foram escolhidos a dedo. ‘Dolores’ significa dor, algo que ela sem dúvidas infringe em todos ao seu redor. ‘Umbridge’ é uma variação de ‘umbrage’ da expressão britânica ‘to take umbrage’, que quer dizer transgressão. Dolores se ofende por qualquer desafio à sua visão de mundo limitada; senti que o sobrenome dela combinava com a pequenez e rigidez de seu caráter. É difícil explicar ‘Jane’; me pareceu bom e que combinava entre os dois outros nomes dela.”


Fonte:  Caio Komatsu


Escreva seu COMENTÁRIO logo no final deste artigo 
Clique em COMENTAR COMO:  escolha NOME/URL
Digite seu NOME (pode deixar URL vazio) 
depois clique em CONTINUAR e PUBLICAR

Se você gostou, clique no f  logo abaixo, 
e clique no  g+1 para ajudar a divulgar este artigo. 


Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e em seguida postado. Obrigada !

Novo Rodapé - APROVEITE ESTA OFERTA:

AINDA DÁ TEMPO DE PEGAR AS OFERTAS